• História,  Jornalismo,  Reportagem

    A sangue frio

    Ministério Público Federal indicia oito militares e um médico por atrocidades cometidas durante a ditadura e desvenda parte dos crimes que o governo Bolsonaro se empenha em apagar da nossa memória histórica Por Vasconcelo Quadros Em dez denúncias encaminhadas ao Judiciário cumprindo parte da sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) contra o Estado brasileiro, o Ministério Público Federal resgatou a pauta mais incômoda para as Forças Armadas e o governo do presidente Jair Bolsonaro: a acusação de que, longe da versão de uma guerra na selva difundida pelos militares, o que ocorreu na Amazônia entre outubro de 1973 e final de 1974, na operação conhecida como Marajoara, foram assassinatos…

  • História,  Jornalismo,  Resenha

    Uma repórter no meio do inferno

    Livro “Dez dias num hospício”, resultado da experiência de falsa identidade da jornalista estadunidense Nellie Bly, ganha quatro edições no Brasil em menos de um ano Por Mauro César Silveira À primeira vista, não poderia haver proposta mais indecorosa: ela teria que se fazer passar por uma pessoa com graves problemas mentais, provocar sua própria internação em um hospital psiquiátrico, sem previsão de alta, e tentar obter as informações mais detalhadas possíveis das condições do local. Mas a jovem repórter Nellie Bly, pseudônimo de Elizabeth Jane Cochran, não se intimidou. “Disse que podia e o faria. E fiz”. A resposta imediata, resoluta, ao editor Colonel Cockerill – uma ideia dele…

  • História,  Jornalismo,  Reportagem

    Os ecos do livro secreto da ditadura

    Documentos apontam que os ideais do projeto Orvil se propagaram dentro das forças armadas e reverberam hoje no discurso bolsonarista Por Lucas Pedretti No início de 1989, o chefe do Centro de Informações do Exército (CIE), general Sérgio Augusto de Avellar Coutinho, mudou o formato dos Relatórios Periódicos Mensais (RPM) do órgão para a “difusão de conhecimentos destinados ao seu público interno”. Com alterações na diagramação, na linguagem e na distribuição, o militar tentava ampliar a influência dos chamados RPMs na formação da tropa. Era um tempo de transformações no país, e o Exército se estruturava para o novo momento: a redemocratização. Após mais de duas décadas de ditadura militar…

  • Diálogos,  Jornalismo

    Quando o esforço coletivo é fundamental para o avanço da investigação jornalística

    Por Mauro César Silveira Na minuciosa resenha do filme Spotlight – Segredos Revelados, publicada aqui no Jornalismo & História, Bárbara Dal Fabbro oferece, em riqueza de detalhes, os caminhos e descaminhos de um trabalho de reportagem extremamente complexo. A determinação do novo diretor de redação do jornal The Boston Globe, Marty Baron (interpretado por Liev Schreiber), ao assumir em 2001, de retomar uma acusação de abuso sexual dentro da Igreja Católica impôs uma daquelas tarefas de apuração jornalística que uma pessoa sozinha não consegue dar conta. Afinal, a informação perdida numa coluna do jornal de que o advogado Mitchell Garabedian (Stanley Tucci) denunciara a conivência do então cardeal arcebispo de…

  • História,  Jornalismo,  Resenha

    Segredos e abusos obscurecidos pela fé

    Como o The Boston Globe trouxe à luz centenas de atos de violência sexual praticados por padres católicos Por Bárbara Dal Fabbro A sétima arte não imita a vida, ela a representa, escancara e publiciza. Na obra cinematográfica vencedora do Oscar de Melhor Filme em 2016, como em tantas outras, o aviso prévio “baseado em fatos reais” faz com que o espectador encare a narrativa que se segue como um dado de realidade, como a representação fidedigna de acontecimentos, como a projeção imagética da vida cotidiana. Spotlight – Segredos Revelados (2015), disponível no Brasil através do canal Claro-NOW e das plataformas de streaming Amazon e UOL, narra a cobertura jornalística…

  • História,  Jornalismo,  Resenha

    Quando o jornalismo enfrenta o poder, ele muda o curso da história

    Por Mauro César Silveira Há momentos cruciais, definitivos, nas relações entre o jornalismo e o poder político. Ou o veículo de informação se curva às pressões governamentais para silenciá-lo ou resiste e reage, de forma destemida, cumprindo o único papel que justifica e legitima sua presença na sociedade – a defesa inalienável do interesse público. Nessas horas, não há meio termo: é sucumbir, em rendição humilhante, ou manter a altivez, a dignidade, arcando com as consequências da decisão de desafiar a autocracia. Esse dilema foi vivido, com aguda intensidade, pelo jornal The Washington Post em junho de 1971 e é o eixo da trama do filme The Post: A Guerra…