Diálogos,  Jornalismo

Os limites do jornalismo se refletem nas sombras da caverna de Platão

Por Bárbara Dal Fabbro

Sempre fui muito ligada à mitologia e à filosofia. Assim, em meio a uma aula, veio-me a ideia de associar essas áreas, ou pelo menos uma delas, a uma outra paixão, pela qual tenho lutado, estudado e exercido há mais de uma década: o jornalismo.

Pode parecer presunção demais da minha parte me considerar apta a interligar áreas do conhecimento tão fortes e distintas, mas aceito o desafio, na forma de um breve ensaio, já que não tenho arcabouço suficiente para levar adiante essa pesquisa. E como me é permitido, neste espaço só meu, divagar sobre tudo o que eu quiser e bem entender, começo delimitando o que passa em minha mente.

A ideia é fazer um paralelo entre as sombras da caverna de Platão e a interpretação jornalística. Há uma certa hipocrisia no jornalismo ao pregar a total imparcialidade e objetividade. Não há como fazê-lo, em hipótese nenhuma, pois o jornalismo é feito por pessoas, e isso já pressupõe que cada um, ou todos, irão emprestar sua visão de mundo, sua angulação sobre quaisquer assuntos que tratem.

E o que as sombras na caverna de Platão têm a ver com isso? Elas, simplesmente, simbolizam a interpretação, a angulação do mundo, só que, nesse caso, feita pelo sol, pela sua luz, e pela leitura que ela faz do mundo e que projeta nas paredes da caverna. Aquele que não conhece o exterior, é levado a crer que o que vê é o verdadeiro, é a única alternativa que possui de conhecer o mundo.

A interpretação jornalística desempenha a mesmíssima função, já que a maioria absoluta dos espectadores/leitores não estava presente no momento em que aconteceu determinado evento, ou não compartilhou do olhar do jornalista que lá estava. Sejamos honestos, não há como sermos total e completamente imparciais em nada, pois cada um de nós traz consigo uma bagagem diferente de vivências, pensamentos, valores e experiências, e, apenas isso, já não garante mais a objetividade.

POR UM OLHAR CRÍTICO DO JORNALISMO

Obra “Alegoria da caverna de Platão”, do gravador Jan Saenredam, de 1604  British Museum/Wikimedia Commons

Nós, jornalistas, oferecemos uma representação dos fatos ao restante da sociedade. Não significa, necessariamente, que estamos dando a versão mais correta, pois a versão correta também é um ideal e não uma realidade. Assim, nós e a luz solar interpretamos o mundo para os que não estavam lá, para os que não o conhecem ou não têm a oportunidade de fazê-lo.

Platão, além de filósofo, torna-se um estudioso de comunicação se tomarmos seu mito da caverna como um paralelo possível de ser feito com o jornalismo, materializado como uma força social imprescindível na construção do mundo que conhecemos.

Não quero com isso desacreditar o jornalismo, pois seria cavar a própria sepultura, já que minha vida é, em parte, dedicada e direcionada a ele. Quero apenas abrir os olhos das pessoas para que não creiam cegamente em tudo que veem ou leem, que avaliem tudo que lhes é exposto da maneira mais crítica possível. Que tenham a coragem de sair da caverna, de ver o mundo com seus próprios olhos, de terem a chance de fazer sua própria interpretação da vida e da realidade, sem ficarem presos ao olhar do outro, sem ficarem viciados ou dependentes dele.

Em tempos de fake news e de pandemia do coronavírus, o jornalismo consegue retomar parte da sua credibilidade ao dar voz aos especialistas, pesquisadores e virologistas, que tentam fazer chegar à população, de forma palatável, informações com embasamento científico para combater as correntes de whatsapp e vídeos do youtube com curas milagrosas e desinformação. Em momentos de crise, como o que vivemos, em que há uma natural inclinação a se buscar saídas rápidas e fáceis para os problemas, a força da apuração jornalística e do compromisso com a verdade emerge do caos cacofônico das redes sociais como um bastião da sensatez e da informação qualificada.

O mito da caverna é uma das obras filosóficas mais lidas da história e já recebeu muitas edições no Brasil. Uma das mais recentes, em formato de bolso, foi lançada pela Edipro, de São Paulo, em 2015. Esse texto clássico de Platão foi extraído de sua monumental obra, A República, e narra um diálogo entre seu irmão, Glauco, e seu mestre, Sócrates. Trata-se de um convite à permanente reflexão. Mantém a atualidade e a relevância, por estimular valores fundamentais para a formulação do senso crítico, tão ausente nos dias de hoje. Em O mito da caverna, Platão aborda temas como a teoria do conhecimento, a linguagem e a educação na composição de um Estado ideal. 

COMPARTILHE

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.