• História,  Jornalismo

    A editora invisível

    Considerada a primeira mulher jornalista da Bacia do Prata, Petrona Rosende lançou no anonimato, em 1830, a publicação feminista portenha La Aljaba Por Mauro César Silveira É uma ilustre desconhecida, sem nenhuma ponta de ironia. Uma arrojada e pioneira editora do Cone Sul. Bem antes, muito antes, mais de meio século antes do protagonismo conquistado pela notável repórter Nellie Bly, precursora do jornalismo investigativo no Estados Unidos no final do século XIX, Petrona Rosende criou, em Buenos Aires, no ano de 1830, um jornal feminista chamado La Aljaba. Um nome bem escolhido: o vocábulo espanhol de origem árabe significa o saco para carregar arco e flechas. O lema da publicação,…

  • História,  Jornalismo,  Resenha

    Uma repórter no meio do inferno

    Livro “Dez dias num hospício”, resultado da experiência de falsa identidade da jornalista estadunidense Nellie Bly, ganha quatro edições no Brasil em menos de um ano Por Mauro César Silveira À primeira vista, não poderia haver proposta mais indecorosa: ela teria que se fazer passar por uma pessoa com graves problemas mentais, provocar sua própria internação em um hospital psiquiátrico, sem previsão de alta, e tentar obter as informações mais detalhadas possíveis das condições do local. Mas a jovem repórter Nellie Bly, pseudônimo de Elizabeth Jane Cochran, não se intimidou. “Disse que podia e o faria. E fiz”. A resposta imediata, resoluta, ao editor Colonel Cockerill – uma ideia dele…

  • História,  Jornalismo

    As lições de uma história quase presente

    Nova edição do manual de redação do jornal espanhol El País reflete o impacto do avanço da causa feminista nos últimos sete anos Por Mauro César Silveira A história recente também ensina – e muito. Na primavera europeia, exatamente no dia 29 de abril, o manual de redação do maior jornal da Espanha, o El País, chegará às livrarias acolhendo algumas lições da luta feminista, mais acentuada desde meados da década passada. A 23ª edição do Libro de Estilo, anunciada há menos de duas semanas, incorpora algumas lições adquiridas a partir de 2014, quando haviam sido atualizadas, pela última vez, as diretrizes do trabalho jornalístico, mas também os princípios editoriais…

  • Diálogos,  História,  Jornalismo,  Resenha

    O machismo com ares de modernidade da revista Fon-Fon

    Obra da historiadora Vívian Marcello Ferreira Caetano descortina a proposta editorial da publicação ícone da belle époque brasileira Por Mauro César Silveira Os ventos da modernidade na chamada Primeira República (1889-1930) sopraram em direções determinadas, sob condições igualmente estabelecidas: o Brasil tentava ostentar a imagem de nação civilizada, varrendo para debaixo do tapete o passado colonial e escravista, sem abrir mão de manter a abismal desigualdade social do país. Assim, o projeto de profundas reformas urbanas na então capital federal, iniciado em 1903 pelo prefeito Pereira Passos, com forte apoio do presidente Rodrigues Alves, precisou contar com o jornalismo como estratégico aliado para disseminar essa mudança cosmética. O bordão oficial…

  • Entrevista,  História,  Jornalismo,  Resenha

    Amores, cocaínas, tangos e moléstias

    Enervadas, de Madame Chrysanthème, é uma crítica à vida tediosa da mulher burguesa dos anos 1920 Por Natália Huf No perfil sobre Madame Chrysanthème, também publicado aqui no Jornalismo & História, Mauro César Silveira diz que “se pudesse, ela não assinaria seus textos como Chrysanthème”. De fato, a narrativa feminista e moderna de Enervadas, de 1922, não deveria precisar ter sido assinada por um pseudônimo. Infelizmente, Maria Cecília Bandeira de Melo Vasconcelos, a mulher por trás do nome, assim como a protagonista Lúcia, viveu em uma época em que o sexo feminino estava destinado a ocupar apenas as funções de esposa, dona de casa e mãe. Escritora e jornalista, Chrysanthème…

  • História,  Jornalismo

    Muito prazer, meu nome é Maria Cecília

    Por Mauro César Silveira Se pudesse, ela não assinaria seus textos como Chrysanthème. Mas naqueles tempos, nas primeiras quatro décadas do século passado, uma voz feminista brasileira não deveria revelar sua identidade. Assim como sua mãe Emília, também jornalista e escritora, que usou o pseudônimo de Carmen Dolores, Maria Cecília Bandeira de Melo Vasconcelos precisou resguardar seu verdadeiro nome ao herdar a coluna semanal de Machado de Assis, no jornal O Paiz, do Rio de Janeiro, e levar adiante sua prolífica produção, tanto nas páginas da imprensa como nas obras literárias. Foram incalculáveis crônicas e artigos em inúmeros periódicos do centro do país e 16 livros, com uma diversidade estilística…